sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Missão cumprida

Caso não tenham notado, no último post eu falei que passei no vestibular. Pois bem, vou falar um pouco disso...:

Todos os últimos dias me peguei pensando no meu ensino médio: no 1º ano complicadíssimo, no 2º ano insosso e no 3º ano que botou tudo pra quebrar. No futuro, mesmo agora, nós já notamos como as coisas ensinadas que não vamos mais usar se assentam no cérebro... mas vemos o quanto esse diplomazinho não está lá pra bonito.
No ensino médio, o adolescente "se prepara para a vida", sempre falam isso, mas de que forma? E eu respondo, se prepara pra vida rindo, brincando, se divertindo, apanhando, sofrendo, fazendo provas e trabalhos, indo pras festas dos amigos, xingando ou elogiando professores... Tudo o que ele faz no ensino médio é relevante, desde aquele possível inútil trabalho de artes (mas que reuniu os amigos pra "fazê-lo" e ver um filme), até aquela prova "inútil" de física, que o obrigou a ter perseverança de ficar sentado por quatro horas estudando.
Não, ele talvez nunca mais utilize as artes ou a física! Mas o momento de ver o filme, mesmo que se dilua com tantos outros, permanece. A evolução da persistência permanece, mesmo que os cálculos de termodinâmica desapareçam. E pois assim que é, o ensino médio, sem te preparar, te prepara para a vida.

Vestibular é uma etapa fundamentalmente adolescente, embora atinja pessoas também mais velhas. É um método meio injusto, penso eu, mas sabe-se lá se outro método ia funcionar na bagunça que é a educação no país. Fora a discussão inteira sobre cotas, que abrange com força o estado - e como sabem, sou ferrenhamente contra. Vestibular não é lugar pra justiça social.
Mas independente disso, é uma passagem, não é? Você senta uma sala cheia de estranhos, com tempo marcado, e assinala no papel o que você sabe, mostra o que você não sabe e também define sua capacidade de mesmo sem saber, acertar. É certo que muita gente que merece fica de fora, mas aí vem a segunda avaliação do vestibular, na paciência, na persistência, e por que não na sorte?

Faculdade... esse terreno aí eu já desconheço. Mas promete.
Vamos ver no que vai dar!


Márlio.

3 comentários:

Davi disse...

As piadas, essas ficam.
Ainda vou contar pros meus netos como o dinheiro desviad... ãhn... investido pela polícia contribuiu para a minha formação

Trita. disse...

ha, definiu bem o que eu sempre pensei sobre o e-médio.
aliás, mudei o link pro meu blog.
agora é http://esaladestar.blogspot.com/

na dúvida, imagina que é um
e-saladestar :)
haha, abraço

Bruno disse...

Terceirao...
Ano especial, sem dúvida